Fheluany Nogueira
Literatura e Emoção
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


 
Autorretrato
 

                   Um vento sopra daqui, outro vento sopra de lá, de entremeio, calmarias e as circunstâncias vão me levando a trilhas, pessoas, outros tempos, diversos lugares... Uma viagem ao século passado, aos quintais e quitutes: fruta no pé de jabuticaba, casinha na sombra da mangueira, ali mesmo devorar broas e biscoitos com chá de erva-cidreira; as brincadeiras típicas de rua — pique-esconde, queimada e  cantigas-de-roda, muita roda...

                   Foram-me até aflorando lembranças de D. Marta, a primeira professora; o gosto pela geografia , história, matemática e trabalhos manuais... Ah! bordado, crochê e tricô! Que prazer e (meus contrastes!) castigo, vovó me punha sentada por horas, ao seu lado, ouvindo rádio (não havia tevê, não) e ponto, por ponto atando, com muito zelo, perseguindo a perfeição...

                   E por falar em disparidades, outra tenho a contar: somos quatro irmãs e um irmão, mas fui criada como filha única; com vovó fui morar, ela e os seis tios  me mimavam muito com temor que a deixasse; meus pais também o faziam, por ciúmes.

                   Nesta época que aprendi a gostar de histórias: vovó e eu íamos ao cinema durante toda a semana, menos no sábado (noite de visitas), cujo filme era repetido na segunda.

 

                   Sonhei ser médica, viajante, alienígena. Não havia ainda lido Walt Disney: ”TODOS OS NOSSOS SONHOS PODEM SE TORNAR REALIDADE - SE TIVERMOS A CORAGEM DE PERSEGUI-LOS.” — Fiz-me professora. Primeiro pensei em matemática, até no vestibular fui aprovada; precisei parar por dois anos para casar e o primeiro (de três) filho gerar.

                   “Não vai ficar sem estudar! Deixe de preguiça!” — meu marido determinou; e, então, mais uma divergência: Letras cursei. Dediquei-me à profissão com paixão e entrega total.

                   O convívio diário com jovens me tornou mais humana, abriu meus olhos para transformações e para a maneira de ser e agir das novas gerações. Cresci à medida que ligada aos alunos mais afetivamente, percebia o mundo de todos e de cada um. Fui aprendendo a ler as expressões faciais, os gestos, cada palavra dita ou escrita, até o silêncio carregado de expressividade. Minha linguagem se atualizava e adquiria novas tonalidades. Lendo muito: clássicos, nacionais, estrangeiros, infantis, juvenis, quadrinhos, novelas, revistas, sabrinescos, procurei transferir o amor aos livros e o gosto de redigir.

                   É assim que me sinto — escrever é uma aventura e uma transgressão. Aventura ao adentrar subterrâneos, dimensões e espaços; transgressão ao violar, ir além da verdade, infringir os limites do real. Por isto escrevo, é instigante invadir os labirintos da imaginação.


                        
                  
 
Fheluany Nogueira
Enviado por Fheluany Nogueira em 22/09/2018
Alterado em 22/09/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários