Fheluany Nogueira
Literatura e Emoção
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos



Limites do Poder
 


         Ruth Rocha, em “O Reizinho Mandão”, aborda, de forma divertida e bem humorada, o tema de limites do poder. Já no título, apresenta a palavra “mandão”, com ênfase até nos caracteres tipográficos, mais cheios e em grifo. A narrativa trata do poder disparatado, temido, que acaba sendo enfrentado e desmontado por uma menina destemida e sem “papas na língua”.
 
          O conto é introduzido por versos de literatura de cordel, que indicam a exploração linguística do popular, da oralidade coloquial. A Literatura Infantil tem abusado dessa modalidade da língua por ser a mais conhecida pela criança — é uma forma de conquistar o leitor, de criar um ambiente de intimidade.
 
          É um texto divertido, ritmado (pela repetição regular de palavras, não pela rima), solto, fluente.  Os marcadores característicos das historietas infantis escritas (“Era uma vez”, “Um dia”) são abandonados e sua introdução acontece em tom conversacional e familiar:

 
“Eu vou contar pra vocês uma história
Que meu avô sempre contava.”
 
         A narrativa está dividida em oito partes, situações diferentes e bem definidas que vão encaminhando para o pequeno leitor para uma reflexão sobre a arbitrariedade, questionando a solidão do poder absoluto e a possibilidade do tirano se auto corrigir. O príncipe, tomando o poder, começa a criar leis disparatadas e enlouquecidas, deixando a mandonice à solta. Histérico, determina que todos “calem a boca”. Assim são retratados os descontroles dos reais poderes que calam todos que os incomodam e, por isto, tornam-se solitários.
 
          O povo — do qual o pequeno leitor faz parte — pode encontrar solução: ter a coragem individual, como a menina, para dizer aquilo que precisa ser ouvido. E a fala dela é uma parlenda. É o resgate do folclore, é a sabedoria popular destronando o rei mandão.
 
“— Cala a boca já morreu!
Quem manda na minha boca sou eu!”
 
          O texto apresenta uma estrutura narrativa bem definida. Inicialmente, o príncipe ordena que todos se calem (manipulação); e consegue (competência); o autoritarismo é a sua performance; e a solidão é a sansão disfórica recebida. Ao final, o príncipe insiste para que a menina fale (manipulação); e consegue (competência); ele mostra sua verdadeira face de autoritarismo (performance); e  a sansão é a quebra de encanto.
 
          O desfecho da história fica aberto. A liberdade impõe responsabilidade, escolhas, a opção pelo ideal (o príncipe vai embora); pelo real (o irmão tomou-lhe o lugar); pelo mágico (ele virou sapo — a ilusão é perigosa, o encanto pode reverter-se).
 
        A narrativa traz uma crítica à prepotência e à arbitrariedade, sem ser uma catequese político-ideológico das crianças, mas encaminhando-as para uma reflexão sobre o poder circundante. O conto dá a lição de que o indivíduo é o sujeito da História. Cada um tem seu papel na construção do geral. Temos aqui um exemplar do conto de fadas atual, moderno e significativo na aprendizagem. È um livro bem adequado para ser trabalhado em sala de aula, pelo conteúdo e pela linguagem.



 
Fheluany Nogueira
Enviado por Fheluany Nogueira em 15/04/2016
Alterado em 15/04/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários